terça-feira, 28 de junho de 2016

Estou em reforma



Chega um momento em que paramos e encaramos de frente que não dá mais pra ficar como estamos. As gavetas estão abarrotadas de sentimentos, pessoas, sonhos, ideais, desilusões... estão tão cheias que pedaços de emoções transbordam delas e não nos deixam mais fechá-las.
O guarda-roupa está com as portas escancaradas, repleto de traças corroendo, lentamente, coisas que não nos servem mais, mas que por razões que na maioria das vezes nem mesmo nós sabemos quais são, não fazemos uma limpeza em seu interior a fim de abrir espaço para o novo, para o que nos dará motivação, energia, vontade de viver.


Os vestidos dos nossos sentimentos, dependurados em cabides enferrujados, estão fora de moda, cheios de buracos nas tramas dos tecidos, apertados, não nos vestem bem, mas por que então teimamos em mantê-los por perto, mesmo cheirando a mofo e imprestáveis para p uso?


A sapateira dos nossos pilares de sustentação está lotada de sapatos com saltos quebrados, solas furadas, cadarços perdidos, fivelas partidas, mas, mesmo assim, teimamos em calçar colunas condenadas à demolição e tantas vezes, somos lançados ao chão, derrubados sem piedade alguma, esfolando os joelhos quando damos sorte e, quando não,  fraturando ossos que nos deixam fora de combate por muito tempo.


Nosso jardim está repleto de ervas daninhas, fazendo definhar amizades que pareciam tão verdadeiras, mas que não resistiram às intempéries da natureza e murcharam, algumas chegaram a morrer, mas, por inércia, não arrancamos o que não presta das nossas vidas, revolvemos a terra, adubamos, semeamos, regamos os brotos que germinarão e se transformarão em novas flores, novos perfumes, novas sombras.


Não dá mais para apenas olharmos para nossa vida como um depósito de sentimentos, emoções, pessoas e relacionamentos que não nos servem mais, que só trazem pontos negativos e estancam nossas escaladas pessoais.


Pode demorar, mas chega o momento em que precisamos reciclar cada milímetro da nossa existência, esvaziando gavetas, guarda-roupas, sapateiras e replantando jardins. 

Pessoas que se transformaram naquela calça de moletom surrada, cheia de buracos, manchada de alvejante e que não serve mais nem para dormir, porque não nos aquece, enrosca nos dedos, impede nosso sono e por conseguinte nossos sonhos, precisam sem colocadas na lata do lixo, uma vez que nem para doação elas servem. Elas estancam nossas vidas, sufocam nossas emoções, destroem nossa autoestima... temos de nos livrar de cada uma delas. 


De cada calça, de cada camiseta de político que usamos aos domingos a tarde quando estamos largados no sofá, com um balde de pipoca e sofrendo por antecipação pela segunda que está para chegar; de cada meia sem par, furada, rasgada, que ficamos remendando na tola esperança de um dia reencontrar o par... temos de desapegar, renovar, reciclar...


Estou reciclando minha vida. Estou em um momento de reconstrução. Em busca de novos pilares, novos alicerces, novos sonhos, novas roupas, novos sapatos, novos canteiros, novos perfumes, novas meias, novos moletons... Estou enveredando por novos projetos, novas conquistas, novos sabores... Estou repintando as paredes, colocando sachês perfumados nas gavetas, matando as ervas daninhas, purificando relacionamentos...


E é dessa minha reforma interior que nasceu o projeto da ABCEM - ABC Esclerose Múltipla que tantos amigos, novos e antigos, abraçaram comigo; é dela que retornei às salas de aulas; é por conta dela que minha vida tem ganhado novos formatos, novos contornos e é por conta dela também que a Esclerose Múltipla, a cada dia que passa, embora com todos os contratempos que ela às vezes traz, tem se tornado, ao invés do vestido embolorado, com cheiro de naftalina, apertado e sem forma, em um acessório que quando eu preciso usar, por força das circunstâncias, me dá um  certo charme, porque, afinal, embora eu tenha de trocar o salto alto pela bengala, tantas vezes, eu continuo escolhendo o chão por onde piso.

Bete Tezine



2 comentários:

  1. EM... nós a temos..... não é ela que nos tem.... sou Portadora de Esclerose Múltipla e não Paciente dela. #prontofalei

    ResponderExcluir
  2. fiquei animada, por alguns momentos esqueci desta horrorosa EM.QUERO CONTINUAR ANIMADA!

    ResponderExcluir