sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Não desista!


Fonte: Google imagens

Existem situações em que a Esclerose pode dificultar nosso dia adia, mas, ao mesmo tempo, nos impulsionar a experimentar algo novo.

O trabalho pode ser uma dessas situações. Antes do diagnóstico pode ser que os sintomas já estejam presentes, como a fadiga, por exemplo, mas o indivíduo não associa esse sintoma com uma doença autoimune e muitas vezes pode associar a sua rotina corriqueira, portanto conduz sua vida normalmente, sem aflições. Já no momento em que é sabido da EM, no momento em que o diagnóstico é realizado, ou porque a fadiga acentuou, ou porque houve outro sintoma que o levasse até o médico, ocorre uma brusca mudança em sua vida social, afetiva e afeta também seu estado psicológico e físico.

Pode ser que o indivíduo se sinta subestimado profissionalmente e às vezes pode se sentir, sim, fadado ao fracasso. Por exemplo: antes do diagnóstico eu era a Maiara, psicóloga, depois do diagnóstico sou então a Maiara, que tem EM.

É preciso tomar muito cuidado com isso!

Nosso rendimento pode, sim, diminuir no ambiente do trabalho, assim como podemos ter dificuldades motoras, sensoriais, alterações na fala e na visão e podemos, sim, nos sentir subestimados por nossa nova condição, mas não podemos e nem devemos “largar a mão” já que estamos em determinada função porque somos competentes e a merecemos.

Muitos de nós temos nossos estudos, nossa carreira, temos sonhos, projetos e desejos, sendo assim não devemos permitir que a EM seja a norteadora de nossa vida, já que construímos tudo o que temos dedicando muito tempo e carinho, batalhamos por cada conquista!

E claro, existem casos em que o paciente precisa deixar o trabalho, e isso não é motivo de vergonha alguma! É possível que o paciente encontre algo que o complete, outra atividade que ele se sinta bem praticando, afinal sempre existe outro sonho, outra possibilidade, outra experiência para ser vivida!


Confie em você, em seu potencial e não desista do que há de mais bonito em nós: a esperança de viver cada dia melhor!

Maiara Araújo
Psicóloga


2 comentários:

  1. Pura realidade. Parabéns pelo texto e pelas orientações.

    ResponderExcluir