quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A Terapia Ocupacional e a esclerose múltipla


Fonte: http://crefito1.org.br/o-conselho/atribuicoes/
  
Na reta final da graduação, nos deparamos com um dilema muito comum entre os estudantes em seu último ano de faculdade: qual o tema do nosso trabalho de conclusão de curso?

Entre tantos assuntos interessantes e importantes a serem abordados, eis que somos presenteadas com um feliz encontro: a ABCEM. Desde então participamos dos eventos, aprendendo muito mais que ensinando.

Neste nosso primeiro post no blog, vamos falar um pouquinho do papel da terapia ocupacional junto aos pacientes com esclerose múltipla.

Mas afinal, o que é a terapia ocupacional (TO)? De acordo com a definição do CREFITO (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional), “é uma área do conhecimento, voltada aos estudos, à prevenção e ao tratamento de indivíduos portadores de alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psico-motoras, decorrentes ou não de distúrbios genéticos, traumáticos e/ou doenças adquiridas, através da sistematização e utilização da atividade humana como base de desenvolvimento de projetos terapêuticos específicos”.

Em meio às diversas áreas de atuação possíveis do terapeuta ocupacional encontra-se a intervenção com pacientes neurológicos, entre eles os com esclerose múltipla.

Sabe-se que uma das características da esclerose múltipla é a imprevisibilidade de seu curso. Dessa forma, o tratamento ocorrerá de acordo com as condições apresentadas por cada pessoa, atendendo as necessidades de cada um. Porém, alguns pontos são importantes e devem ser observados pelo terapeuta ocupacional:

  • Preservação da força, movimento e coordenação da parte superior do corpo;
  • criação, prescrição e orientação quanto ao uso de recursos que auxiliem as atividades cotidianas;
  • prescrição de atividades para compensar possíveis prejuízos adquiridos;
  • orientação sobre conservação de energia para controle de fadiga.
Assim, levando em consideração as questões acima mencionadas, o profissional de TO atuará como um facilitador no processo de reabilitação, buscando maior autonomia e independência do sujeito na realização de suas atividades cotidianas, promovendo melhor qualidade de vida.


Luci Takiuchi 
Terapeuta Ocupacional






Stephanie Bruna dos Santos
Terapeuta Ocupacional





Nenhum comentário:

Postar um comentário