sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

O verão roubando a cena


Fonte: http://www.comunidadeviadutos.com.br/site/noticia/semana-de-calor-escaldante-comeca-com-sol-no-rs/1258

Tristeza é quando chove
quando está calor demais
quando o corpo dói
e os olhos pesam
tristeza é quando se dorme pouco
quando a voz sai fraca
quando as palavras cessam
e o corpo desobedece [...]

(Martha Medeiros)


O calor sempre foi um grande problema para mim, mesmo antes de saber o por quê disto.O calor me provoca sensações tão debilitantes que fico imprestável, na verdadeira acepção do termo.


Moro em São Paulo, mais precisamente no grande ABC paulista. São Paulo, a ex  terra da garoa, digo ex porque garoar por aqui agora é uma coisa muito rara de acontecer. 

Me lembro bem de quando criança acordar nos dias de inverno com uma camada branca de geada cobrindo tudo. Isso acontecia com muita frequência, sem contar que cada estação do ano era bem demarcada.  

Agora, para o meu desespero e, acredito, que de todos as pessoas com EM que aqui residem, parece que o verão resolveu roubar a cena das demais estações, assumindo o papel principal nos palcos de cada uma delas. No inverno, assumiu, simultaneamente, os lugares da geada e da garoa que foram substituídas por um sol escaldante e um ar extremamente seco. Na primavera, as tardes amenas deram lugar a um calor intenso com o verão tomando o papel outra vez. No outono, minha estação antes preferida, se tornou uma extensão do verão, os dias continuar tão quentes que ninguém diz que houve transição de uma estação para outra.

Como viver em um verão constante, durante a maior parte do ano, tem sido difícil para mim! Nesses dias quentes a fadiga faz a festa em minha vida, me subjuga, me domina, me faz refém das suas manhas e manias. Além disso, eu sinto que até meu cérebro fica com o funcionamento mais lento, meu raciocínio vai a passos de tartaruga enquanto fico impaciente e irritada com uma facilidade surpreendente. Tudo parece conspirar para me deixar pior. É suor, é falta de energia, é irritabilidade, é intolerância com tudo. Me torno quase irascível em dias de extremo calor.


Finalizando, eu só quero fazer um pedido aos familiares e amigos de todos os pacientes com Esclerose Múltipla:  em hipótese alguma, agora que já sabem como nos sentimos quando expostos ao calor, profiram a frase que nos deixa profundamente irritados e nos sentindo incompreendidos. É, é aquela frase mesmo, aquela que eu já ouvi diversas vezes e sei que não foi exclusividade minha. Esta frase: nossa, só você que está sentindo esse calorão todo! 

Bete Tezine



"A arte, em todas as suas formas de expressão, tem o poder de mudar os rumos de uma história que desde o começo estava fadada ao fracasso..." 
 (Bete Tezine)

Nascida em Santo André, SP, 49 anos, advogada, artista plástica, professora universitária de Artes Plásticas, mãe de 2 filhos (1 adulto e 1 adolescente), diagnosticada com Esclerose Múltipla em fevereiro de 2012 e atual presidente da ABCEM.



Um comentário:

  1. eu não posso sair de casa com esse sol , já a partir das nove horas da manhã não dá. Nesta última segunda fui até os correios e quando voltei dormi a tarde toda. Simplesmente não dá para viver assim. É terrível.

    ResponderExcluir