sexta-feira, 24 de março de 2017

O difícil é parecer fácil


Fonte: https://goo.gl/images/GhrJxh

Lidar com uma doença que é considerada degenerativa, progressiva e incurável não é nada fácil. Contudo, notei que existem milhares de fatores que podem impactar no seu cotidiano, além da esclerose múltipla. A questão de ter uma doença e viver em prol dela não pode prevalecer,  você possui  escolha e mudar depende do quanto você está  disposto exercitar isso diariamente.

A doença surge e manifesta-se de forma  diferente em cada um, com ou sem sequelas visíveis. São intensos os sentimentos que provamos a partir dessa descoberta, seja de de fragilidade, impotência, ansiedade e  outros que reforçam inúmeras dúvidas e indagações.

O auxílio, tanto de um plano de saúde, SUS,   grupos e associações de pacientes são essenciais,  nos ajudam, assim como o apoio familiar e de amigos. Contudo, o processo de aceitação dessa nova realidade é bem complexa. São fases de silenciar, desacreditar, negar, ansiedade, falar demais ou isolar-se, sentir-se e, muitas vezes, ser excluído.

Adotar uma postura positiva, principalmente quando se está sozinho e sem o apoio familiar pode ser desorientador/desmotivador, contudo, não é impossível superar-se.

É um exercício diário buscar qualidade de vida e aprender com a doença, procurar novas atividades e simplesmente viver da melhor forma possível.

Devemos adaptar, viver e criar alternativas... quantas vezes deixei de arriscar algo por falar que não posso ou não vou conseguir. Contudo, falar sobre a doença ou isolar-me não iria mudar a minha condição, a vida segue e cada um ocupa-se com suas próprias vidas.

O ideal é realizar as tarefas de acordo com o seu limite. Se não é possível correr, vamos caminhar.

Procuro levar uma vida praticamente normal, mesmo com os sintomas. Percebo que é fundamental seguir o tratamento, interagir nos grupos de “esclerosados”, porém precisamos aprender a lidar com as diferenças que cada um possui. Realizar comparação em nenhum âmbito é positivo, principalmente referente a sua condição de saúde

Independentemente se você possui apoio familiar e  de amigos, a escolha é sua  em seguir,  sonhar, ser positivo, cuidar-se e aproveitar o hoje.

Jennifer Araujo 





Formada em produção editorial, 31 anos, divorciada, apaixonada por música, viagens e fotografia.







3 comentários:

  1. Muito bem, lindas palavras mas não é tão fácil assim,eu estou adaptado o único problema são as outras pessoas que não conseguem entender.

    ResponderExcluir
  2. O mais complicado, pelo menos no meu caso, é mostrarmos para os familiares que cada pessoa tem uma evolução diferente da esclerose múltipla . Logo uma pessoa pode estar "bem" e outra já estar com dificuldade em caminhar mesmo a primeira ter diagnóstico bem anterior ao da segunda.

    ResponderExcluir
  3. Isso é o verdadeiro significado da resiliência. Obrigada pela lição de vida!

    ResponderExcluir