terça-feira, 4 de abril de 2017

Somente limitações


Fonte: https://br.pinterest.com/dimitrisch/nature-homme/
Em 2002 tudo ia bem até meu ex-marido se separar de mim repentinamente, sem maiores explicações, no dia seguinte ao meu aniversário! Choque total!
A partir disso comecei a ter tonturas, dessas que só imaginávamos ver em novelas e filmes. Eu estava deitada na cama, olhando para cima, e via o lustre (que é fixo) girar como se andasse pelo teto! Vomitava muito! Os médicos  (sim, foram vários que consultei) diziam ser labirintite de fundo emocional por conta da separação brusca. Tomei por muito tempo remédio para labirintite e antidepressivos. Mas nada resolvia! Até um Otorrinolaringologista consultei e fiz os testes para ver se havia algo no labirinto. Nada !!! E as tonturas continuavam.
Em 2006 comecei a namorar novamente. Meu namorado da época falou para eu ir no Oftalmologista, pois um olho meu ia para o lado e o outro demorava para chegar no mesmo canto. O Oftalmologista falou que não tinha nada com minha vista e falou para eu consultar um NEUROLISTA. Ele, o neurologista, me pediu uma ressonância magnética que acusou “possível Esclerose Múltipla”.
O namoro terminou e comecei minha jornada para achar um neurologista que entendesse dessa tal de ESCLEROSE MÚLTIIPLA. Fiz exame de Líquor confirmando a suspeita da ressonância.
Eu estava solteira, com apenas 33 anos, sem filhos e com uma doença degenerativa! Me bateu o desespero, mas não me deixei abater. O apoio de meus pais foi essencial para eu enfrentar o diagnóstico.
Em 2012 perdi meu pai. Foi um AVC hemorrágico. Ele ainda ficou uma semana no hospital e acabou morrendo após 8 paradas cardíacas! Eu achei que enfrentei bem, mas meu neurologista da época falou que a fraqueza em minhas pernas foi em decorrência disso.
Em 2013, com a doença já mostrando “suas garras” e cada vez mais pensando que ficaria sozinha pro resto de minha vida, conheci, pela internet, meu atual marido/anjo.

Por isso creio ser muito importante as pessoas saberem mais sobre Esclerose Múltipla. Saberem que não é contagiosa  e que nós, os “esclerosados”, somos pessoas “normais” com apenas algumas LIMITAÇÕES !

Isamara Cardoso Pimentel
Publicitária aposentada por invalidez







7 comentários:

  1. Depoimento maravilhoso minha querida bj grande

    ResponderExcluir
  2. Olá meu nome é Cristieli e convivo com a EM ha 7 anos. Me identifiquei com a tua historia, tatei como labirintite por algum tempo ate ficar insuportável, e as pernas travarem!Só conseguir vencer com apoio dos meus pais e marido, que graças a Deus me entende! Tenho um filho de 7 anos, pois engravidei apos o diagnóstico com medo de nao conseguir depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Critiéli !!! Se não fossem nossa família e companheiros, estaríamos mais perdidas ainda !!! rs Sorte !!! Beijos !

      Excluir
  3. Damaris Pegoraro4 de abril de 2017 21:37

    Vc é linda e sua alegria é contagiante..

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo relato , que dividiu aí conosco engraçado como agente se identifica em alguns trechos de sua narrativa , enquanto lia oque você contou por algumas vezes passava um filme em minha mente oque também vivenciei... Parabéns e força aí guerreira, lembre se que juntos somos mais fortes sempre !
    Abraços fraternos, Deus abençoe você e sua família.

    ResponderExcluir