sexta-feira, 19 de maio de 2017

Qual a pior dor do mundo?


Fonte: Google imagens

Qual a pior DOR do mundo??? Qual a pior DOR na Esclerose Múltipla??

Há quem diga que a pior dor é a dor do parto ou a dor de uma cólica renal. E como é a DOR das pessoas com de Esclerose Múltipla??? Cada um relata como sente a DOR...

Na semana passada, fui convidada pela presidente da ABCEM, Bete Tezine, a participar de uma roda de conversa com pacientes com Esclerose Múltipla, familiares/cuidadores e graduandos de outras áreas da saúde e, durante a conversa, foi mencionado pelos pacientes como sendo a DOR um dos principais motivos para a não realização de uma atividade, não deixando de lado, é claro, a fadiga.

A DOR é uma desagradável experiência sensorial e emocional resultante de um dano real ou em potencial ao tecido. A dor acontece em muitas doenças, no caso da EM predomina a dor neuropática que é definida como dor causada por lesão ou disfunção do sistema nervoso.

A DOR pode causar fadiga, gerar uma situação de estresse, irritação e outros sintomas indesejáveis e, de um modo geral, pode levar à incapacidade e causar ansiedade, interferindo diretamente na qualidade de vida.

Um aspecto importante na avaliação da DOR seria identificar a sua intensidade. Existem diversas formas de avaliá-la e cada uma desses instrumentos podem ser utilizados para uma intervenção específica. Podemos utilizar uma escala verbal (por exemplo: nenhuma, pouca, moderada, intensa ou muito intensa), observar  os fatores que aliviam a dor( em repouso melhora? Em movimento piora?).  

As pessoas com Esclerose Múltipla podem ser beneficiados com instrumentos que a avaliam adequadamente, relatando a intensidade de dor, localização, duração da dor e utilizando-se de recursos farmacológicos quando prescritos pelo médico que acompanha o estágio da doença e valer-se de recursos não farmacológicos quando indicados por profissionais capacitados, como terapia com gelo e calor para alívio da DOR, massagem para produzir relaxamento e outras técnicas, como a hipnose por exemplo.

A enfermeira administra a dose correta, usando o procedimento adequado para cada fármaco, e também orienta os pacientes quanto sua administração.

De qualquer forma, precisa de uma abordagem multiprofissional (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogo, terapeuta ocupacional, educador físico, fonoaudiólogo) para uma avaliação completa, contribuindo para a melhora do paciente e, consequentemente, para a sua qualidade de vida.

Até mais!

Adriana Caldas Rocha
Enfermeira



Bacharel em Enfermagem pela Faculdade de Medicina do ABC- FMABC. Aprimoramento/especialização em Enfermagem em reabilitação física - HC FMUSP. Tem experiência em atendimento individual/grupo em programas de reabilitação ambulatorial e internação, incluindo visita domiciliária: doenças crônicas e  neurodegenerativas  na lesão medular, lesão encefálica, amputados, paralisia cerebral e nas incontinências urinárias. Atuação em ambulatório de bloqueio neuromuscular (Toxina botulínica). Educadora em saúde em curso de cuidadores de idosos e pessoas com deficiência física.



4 comentários:

  1. Faço das suas palavras, as minhas.
    A hipocrisia impera na sociedade e o que temos a fazer, é seguir em frente.

    ResponderExcluir
  2. Tenho muitas dores nas articulações, que incapacita qualquer atividade que necessite de movimentos, desde se abaixar doi os joelhos, sentar e levantar a lombar, muito na cama o corpo todo, muito em pé fadiga misturada com dores generalizadas, enfim doi tudo., rsrs

    ResponderExcluir
  3. Eduarda Arantes
    A pior dor , não é dor fisica e sim do preconceito, isto doe, mais doe muito .Dilacera qualquer ser humano. Dor fisica,passa, dor que marcar como o preconceito é chagas que fica para sempre.
    Dor física, suporta, dor do preconceito é um fardo que se carrega.
    Por isto devemos encarrar a "dor" com naturalidade e sempre ter orgulho do que é.
    Tenho uma dor física, que não quero que meu pior inimigo tenha, porque sei que ele não iria suportar. Sei administra-la, ao longo dos anos. Mas não dói tanto quanto o preconceito. A sociedade é ainda hipócrita e mascarada.

    ResponderExcluir
  4. Tive uma dor no penúltimo molar superior do lado esquerdo que durou meses ! Doia quando eu mastigava, e a dor ficou insuportável há 2 semanas atrás. Fui ao dentista sabendo que não podemos colocar a culpa de todas as dores na EM. A dentista tirou até chapa mas não tinha nada no dente. Nenhuma cárie ou inflamação. Então só pode ter sido da EM ! Após tomar um analgésico receitado pela dentista e confirmado com minha neurologista se eu poderia fazer uso do medicamento, passou a dor !
    Então alerto para todos consultarem o neurologista antes de qualquer coisa !

    ResponderExcluir