terça-feira, 20 de junho de 2017

Fadiga: ausência de relação entre causa e efeito


Fonte: Google imagens

A fadiga é definida como desgaste, falta de energia, cansaço. No entanto, a fadiga resultante da esclerose múltipla vai muito além do que se sentir cansado, ela não tem nada a ver com perder a energia por ter realizado tarefas desgastantes, ela é avassaladora.

Embora seja relatada por mais de 75% dos pacientes com EM e um dos, senão o mais debilitante de todos os sintomas , a fadiga é o mais incompreendido entre eles, pois não mostra sua cara, não sangra, não tem relação de causa e efeito.

Se sentir fatigado após uma noite de sono, estar disposto em um momento do dia e 5 minutos depois, sem nenhuma causa aparente, perder a energia por completo, faz parte da rotina de um grande número de pacientes e, tentar explicar como se sente, é tão ou até mais desgastante que a própria fadiga em si. 

Falar, andar, escrever, ler, pensar... coisas tão corriqueiras se tornam penosas quando somos tomados por ela. Tomar banho é algo relaxante, mas quando a fadiga toma conta o banho se torna penoso, um verdadeiro vilão, pois o ato de se despir, se lavar, se enxugar e se vestir novamente assume dimensões absurdamente grandes e, muitas vezes, ele tem de esperar nosso corpo recobrar ao menos um mínimo da energia que a fadiga tomou de nós.

Lavar os cabelos... Que ato complexo quando nossos braços parecem adquirir o peso de uma tonelada porque fomos assolados pela insolente da fadiga. Eles não dão conta de sustentarem-se na posição necessária para a lavagem. As mãos não se movimentam como devem e quantos de nós já não adiamos a higienização das madeixas por não termos condições físicas de fazê-la quando devíamos ou queríamos?

Mastigar alimentos pode se tornar uma atividade tremendamente desgastante nos dias de intensa fadiga. O maxilar se cansa de tal forma que não há como explicar para quem nunca experimentou algo parecido. A sensação que temos é de que estamos mastigando pedras...

Exaustão, lentidão, lassitude, cansaço extremo... fadiga... A fadiga proveniente da EM é debilitante, nos nocauteia, nos tira as forças, nos deixa fora de combate. Ela por si só já é por demais complexa para que tenhamos de justificá-la para quem não consegue compreender sua real dimensão.

Bete Tezine



"A arte, em todas as suas formas de expressão, tem o poder de mudar os rumos de uma história que desde o começo estava fadada ao fracasso..." 
(Bete Tezine)

Nascida em Santo André, SP, 49 anos, advogada, artista plástica, professora universitária de Artes Plásticas, mãe de 2 filhos (1 adulto e 1 adolescente), diagnosticada com Esclerose Múltipla em fevereiro de 2012 e atual presidente da ABCEM



4 comentários:

  1. E quando queremos fazer coisas, mas a FADIGA não permite ? Os de fora dizem que somos preguiçosos, mas só nós sabemos o quanto de força temos que reunir pra fazer a tarefa, que pra maioria é simples !!!

    ResponderExcluir
  2. Querida, hj estou me arrastando, todas essas atividades corriqueiras ficaram muito pesadas.
    Só de falar comigo algumas pessoas da família já percebem, pq nem a voz sai por inteiro.... Afff
    Beijos
    Fabi

    ResponderExcluir
  3. Eu tbm tenho muita fadiga. E é bem fácil saber, minha voz tbm some com o mínimo de esforço que eu faço. Pensa como estou sofrendo agora tendo q cuidar dos serviços da casa, fazer almoço. Aqui em casa ta difícil. Pois todo mundo sabe q eu não posso fazer, mas ninguém faz sem eu ter q pedir ou mandar. Ih vida!

    ResponderExcluir
  4. Mas vamos em frente! Não deixo de fazer minhas coisas. Pois não posso deixar a EM ganhar de mim.
    Amo seus textos Bete!
    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir